Journey America Part 2

Journey America to the End of the World

I had a dream.

To travel the 16 000 km that separate Canada from my home in Sao Paulo, Brazil on horseback. Inspired by bedtime stories told by my father of Aime Tschiffely’s 1925 extraordinary ride from Argentina to New York, this became my life’s dream. I remember lying in bed as a child, starring up at the glow-in-the-dark stars on my ceiling imagining how one man could travel all that way on horseback. It made my imagination fly with wonder.

Years passed and many things changed in my life. I immigrated to Canada at the age of 9 with my family, began calf roping and rodeoing, fell in love with travel and even took up hockey. But one thing never changed – my desire to one day emulate Tschiffely’s ride.

During my second year of Journalism at Ryerson University in Toronto, while surfing the internet, I ran into the Long Riders Guild. This website contains the world’s largest collection of equestrian travel information, which gave me the final push I needed to turn my dream into reality.

I immediately began exchanging emails with the founder of the Guild, Chucullaine O’Reilly.  Chucullaine put me in touch with some of the world’s most experienced Long Riders. Together they gave me all of the know-how and information I needed in order to pull off this herculean task.

After two years of planning, researching and fundraising, I was ready to start my ride. Never in my life had I felt so sure of anything. Yet many called me a lunatic for trying. I was told that it was impossible. That I was crazy for not getting a “real” journalism job. That I would most certainly die a horrible death in trying.

“Let fools laugh; wise men dare and win,” I took Tschiffely’s words of advice and on July 8, 2012 saddled my horses at the centennial Calgary Stampede and rode off into the unknown.

After 803 days on the road, seeping with the smell of horse sweat, I arrived in my home in Espirito Santo do Pinhal, Sao Paulo with my three horses Frenchie, Bruiser and Dude. We had done it. We had faced more obstacles than most people have to deal with in an entire lifetime, but with perseverance, resiliency and dedication, we achieved our goal.

I retired my ponies in my family’s ranch in rural Sao Paulo and tried to go back to everyday life in the 21st century. Not an easy task after spending years traveling from place to place at the break-neck speed of 4 kilometres an hour.

Fact is, a saddle tramp will never fit into a computer programmer’s world.

While working on my manuscript, “The Long Ride Home,” and doing motivational talks in Canada and Brazil, it became evident to me that I was not the same boy who had departed from Calgary. I was now an adventurer who’s nomadic spirit would no longer sit quietly in one place. The road called out to me and I listened with desire. I dreamt of getting my daily dose of adventure once again. Chasing kilometers. Sleeping to the sound of my horses grazing. Living a life with nature and not against it.

It was during a visit to the Barretos Cancer Hospital that a light went off in my head and everything began to make sense once again. Speaking to the hospital staff I learned that this state of the art hospital treats thousands of Brazilians every year free of charge. “But how,” I asked with wonder.

The answer, they raise 11 million Reais (about 3 million dollars) every month!

I knew I needed to do something to help.

While growing up in Canada I was extremely impacted and inspired by Terry Fox’s “Marathon of Hope,” to raise money for cancer research. During my ride from Canada to Brazil, when things got hard, which was almost everyday, I sought power in his saga.

“If Terry was able to run a full marathon everyday on a prosthetic leg, than I can reach the summit of this mountain,” I remember thinking during my difficult ride through the backcountry of Yellowstone National Park.

Unfortunately, Terry had to stop his run after 143 days and 5,373 kilometres on the road. His cancer spread to his lungs and ultimately took his life. But the legacy this young Canadian left behind is unmatched. To date, over $650 million have been raised in Terry’s name through the Terry Fox Foundation.

I have never had to battle cancer but like everyone else today, have had people around me win and lose the arduous battle. My father and uncles are cancer survivors and I lost a great friend during my first year of university to this horrible disease.

It is for all of these reasons that I have decided to jump back into the saddle and embark on another Long Ride! On April 10, 2015 I will depart from the Barretos Children’s Cancer Hospital on route to Tierra Del Fuego, Patagonia – The end of the world.

It should take me 1 year to travel the 8 000 km route across southern Brazil, Uruguay, Argentina and Chile. During the ride I will be raising funds for the Barretos Children’s Cancer Hospital through different events along the way, donations and sales from my saddle, boot and clothing line. I will also be distributing educational material on cancer prevention along the way.

Since I promised Frenchie, Bruiser and Dude their early retirement, and I’m a man of my word, I will be taking new mounts on this journey. I cant wait to start riding south and sharing the many adventures my horses and I live out!


Jornada ao Fim do Mundo

Eu tinha um sonho…viajar os 16 000 km que separam o Canadá do Brasil, a cavalo.

Inspirado por histórias contadas por  meu  pai sobre um Suíço ,Aime Tschiffely,que em 1925 viajou da Argentina até  Nova York, a cavalo, este tornou-se o sonho da minha vida.

Lembro-me quando criança, deitado na cama,olhando  estrelas fluorescentes em meu teto e imaginando como um homem podia viajar toda essa distância a cavalo. Isso fez  minha imaginação voar para longe.

Anos se passaram e muitas coisas mudaram na minha vida. Eu e minha família,imigramos para o Canadá quando eu tinha  9 anos,comecei a laçar em rodeios,descobri que amava viajar, e joguei hockey no gelo,mas uma coisa nunca mudou – o meu desejo de um dia imitar Tschiffely em sua jornada a cavalo.

No meu segundo ano de Jornalismo na Ryerson University de Toronto,enquanto navegava na internet dei de cara com o site dos Cavaleiros de longas distâncias,um dos maiores sites sobre cavalgadas e informações sobre esse tipo de viagens.Isso foi o ponta pé inicial pra que meu sonho se tornasse realidade.

Imediatamente comecei a trocar e-mails com Chucullaine O’Reilly,o fundador desta entidade e ele me colocou em contato com alguns dos cavaleiros de longas distancias  mais experientes do mundo. Juntos, eles me deram todo o know-how e as informações que eu precisava,a fim de continuar com este desafio.

Depois de 2 anos de planejamento, pesquisa e captação de recursos, eu estava pronto para começar a minha viagem. Nunca na minha vida tinha tido  tanta certeza do que queria ,no entanto, muitos me chamaram de louco,muitos me falaram que era impossível,que eu deveria arrumar um emprego de jornalismo “real” e que eu morreria  certamente se tentasse.

“DEIXEM OS TOLOS RIREM; OS SÁBIOS OUSAM E VENCEM”, 

Eu  peguei essas palavras de Tschiffely como conselho e em 08 de julho de 2012 selei meus cavalos no Calgary Stampeed,o maior RodeiodoCanadá e parti para o desconhecido.

Depois de 803 dias na estrada, dormindo e acordando com o cheiro de suor de cavalos, cheguei na minha casa em Espirito Santo do Pinhal, São Paulo com os meus três cavalos Frenchie, Bruiser e Dude.

NÓS TÍNHAMOS CONSEGUIDO.

Nós tinhamos enfrentado mais obstáculos do que a maioria das pessoas em uma vida inteira, mas com perseverança, resiliência e dedicação, conseguimos o nosso objetivo.

Eu  aposentei meus cavalos no nosso rancho  no interior de São Paulo e tentei voltar à vida cotidiana do século 21. Não foi uma tarefa fácil, depois de ter andado 2 anos com meus cavalos à 4 km por hora.O fato é…quem se vicia em uma sela,dificilmente se encaixará em uma cadeira em frente ao computador novamente.

Enquanto trabalhava no meu livro, “The Long Ride Home”,A Viagem de Volta para Casa e fazia palestras motivacionais no Canadá e no Brasil, tornou-se evidente para mim que eu não era a mesma pessoa que havia partido de Calgary no Canda 2012.

Agora eu era um aventureiro com espírito nômade que não sentaria mais calmamente em um só lugar.

A estrada me chamava e eu ouvia sua voz com desejo. Eu sonhava em conseguir minha dose diária de aventura de novo. Percorrer muitos quilômetros,dormir ao som de meus cavalos pastandoe viver uma vida com a natureza e não contra ela era minha vontade outra vez.

Foi durante uma visita ao Hospital de Câncer de Barretos que uma luz se ascendeu em minha cabeça e tudo começou a fazer sentido novamente. Falando com a equipe do hospital, descobri aquele hospital maravilhoso digno de um hospital de país de primeiro mundo, tratava milhares de brasileiros todos os anos de forma gratuita. “Mas como?”, Perguntei com espanto.

A resposta, eles recebem  11 milhões de reais (cerca de 3 milhões de dólares) em doações,por  mês!

Eu sabia que precisava fazer alguma coisa para ajudar também.

Cresci no Canadá e fui extremamente impactado e inspirado por Terry Fox,um jovem que perdeu a perna por causa do cancer.Ele realizou a “Maratona da Esperança”, para arrecadar dinheiro para as pesquisas da cura do cancer.. Durante a minha viagem do  Canadá para o Brasil, quando as coisas ficavam difíceis, que era quase todos os dias, procurava pensar na força do Fox.

“Se Terry era capaz de correr uma maratona completa com uma perna protética,quase todo dia,  eu era capaz de  alcançar o cume daquela montanha a minha frente,” Eu me lembro pensando nisso durante minha árdua travessia pelo Yellowstone Park,nos Estados Unidos.

Infelizmente, Terry teve que interromper sua corrida após 143 dias e 5.373 quilômetros na estrada. O câncer se espalhou para seus pulmões e, finalmente, tirou sua vida. Mas o legado deste jovem canadense deixado para  trás é incomparável. Até à data, mais de US $ 650 milhões já foram levantadas em nome de Terry através da Fox Foundation.

Graças a Deus eu nunca tive de combater um câncer, mas como todo mundo hoje em dia, vi pessoas ao meu  redor ganhar e perder a batalha árdua contra esta doença.

Meu pai,tio,primo são sobreviventes de cancer e eu perdi uma grande amiga,durante meu primeiro ano de faculdade com essa doença horrível.

É por todas estas razões que eu decidi  voltar para a sela e embarcar em outra longa viagem !

Em 10 de abril de 2015 eu vou sair de frente do  Hospital de Cancer Infantil de Barretos seguindo  para a Terra do Fogo ,Ushuaia, Patagônia – “O FIM DO MUNDO”

Essa joranada levará aproximadamente um ano,onde cavalgarei 8 000 KM por todo o sul do Brasil , Uruguai, Argentina e Chile. Durante a jornada eu irei angariar fundos para Hospital do Câncer Infantil de Barretos através de diferentes eventos ao longo do caminho:doações,vendas de minha sela,roupas,bonés . Eu também irei distribuir material educativo sobre a prevenção do câncer e fazer palestras em algumas cidades e vilarejos.

Como prometi a Frenchie,Bruiser e Dude suas aposentadorias antecipadas, e eu sou um homem de palavra,nessa nova Jornada irei com 2 novos cavalos.. Mal posso esperar para começar esta nova Joranada rumo ao sul e compartilhar com todos muitas aventuras minha e de meus cavalos.

VAMOS CAVALGAR ATÉ O FIM DO MUNDO!